Publicado 05/10/2013 por SBJ6 em Pastorais
 
 

Equipe de Liturgia

Um dos momentos da Celebração Eucarística é a Liturgia da Palavra. A Palavra de Deus é solenemente proclamada e deveria atingir o ouvido e o coração das pessoas.

O concílio Vaticano 2º, no documento Sacrosanctum Concilium, fazendo menção às diversas presenças de Cristo durante a celebração eucarística, diz que Cristo está presente também na sua Palavra, “pois quando é Ele mesmo que fala quando se lêem as Escrituras na Igreja” (Sacrossantum Concilium 7).

A CNBB, em diversos pronunciamentos e documentos, chamou esses homens e mulheres de “Ministros/Ministras da Palavra”, ou seja, são eles e elas os responsáveis da proclamação da Palavra de Deus. São eles e elas que devem fazer com que a Palavra atinja a vida dos ouvintes, daqueles e daquelas que participam da celebração Eucarística.

Mais do que nunca, surge nas comunidades a necessidade de verdadeiros proclamadores da Palavra de Deus, homens e mulheres que procurem colocar na vida aquilo que estão anunciando. Isso exige empenho, exige formação.

A CNBB (Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil), no documento “Diretrizes Gerais da ação evangelizadora da Igreja no Brasil – 2003-2006”, faz alguns alertas sobre a importância da Palavra de Deus: “Por isso, é essencial que pastores e fiéis se empenhem para que a Palavra seja claramente anunciada nas celebrações ao longo do ano litúrgico, seja comentada e refletida com homilias cuidadosamente preparadas, seja encarnada na vida (Nº 21). “Aos fiéis leigos, sejam oferecidas oportunidades de formação bíblica e teológica e de uma “formação integral”, hoje indispensável para a atuação cristã mais consciente na sociedade (Nº 24).

Baseado nas afirmações citadas queremos formar nossa comunidade para que na assembléia litúrgica, seja bem proclamada a Palavra de Deus.

A liturgia celebra a Palavra, não apenas lê a Palavra; no fundo, a liturgia não apenas escuta essa Palavra. Ela escuta a Palavra para depois colocá-la em prática dentro de um contexto e deixar que ela atinja o máximo de si mesmo.

O anúncio da Palavra de Deus é o ponto alto e constitutivo tanto da antiga como da nova Aliança. Por isso, ao proclamar a Palavra, precisamos considerar que esta produz efeitos.

Celebrar a Palavra de Deus é dar qualidades novas, é ação de santificação. Na celebração da Palavra, ela mesma é celebração.

Texto extraído das formações litúrgicas do Pe. Mauro Negro